Publicado por: Eder & Fabi Rezende | 03/02/2013

Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2

Voltamos (eu, meu pai e minha mãe) para contar o resto da história em Brotas. No dia depois do dia que chegamos, também conversamos com Tio Paulinho para saber por onde poderíamos nos aventurar. Desta vez ele não foi nada bonzinho e judiou de mim. Primeiro mostrou um livro com as fotos do Vôo do Tarzan. Eles esticaram uma corda de aço entre as duas pontas de um buraco e todo mundo sai voando a 120 metros do chão pendurado nela, chamam isso de tirolesa nem sei porque. Todo mundo menos eu. Só pode brincar disso crianças com mais de 7 anos (meu, vai demorar muito para eu poder ir) e com mais de 1,45 metros de altura (a girafinha que tem pendurada na parede do meu quarto me mostrou que estou bem longe disso). Quase que minha mãe também fica de fora, rsrsrs. São 1000 metros (que acabei de descobrir que é a mesma coisa que 1 quilômetro) com o vento batendo no rosto. O passeio todo demora 4 horas e custa uns R$ 95,00 para cada um.

Não me deixaram experimentar esta delícia

Não me deixaram experimentar esta delícia

Logo pensei, já que não posso ser Tarzan então fala de outra aventura ai. E não é que Tio Paulinho começou a falar do rafting. Disse que esta aventura era obrigatória para quem vai a Brotas. Vai todo mundo num barco de plástico amarelo que parece o patinho da minha banheira só que bem maior, descendo o rio que só tem Jacaré no nome, não precisa ter medo. Achei meio monótono até descobrir que a gente desce a cachoeira dentro do barco. Mexe tanto que me sentiria como uma banana no liquidificador virando vitamina.  Além da adrenalina que é o principal, ainda poderia me refrescar durante as 4 horas que demora para descer os 10 quilômetros. E acabei mesmo me refrescando só que foi com o balde de água fria que ele jogou na minha empolgação. Só maiores de 1,20 metros podem brincar de rafting. Ele ainda jogou um gelinho em mim ao dizer que também existe um mini rafting mas só para crianças que já sopraram duas velinhas. O que importa se ele faria um desconto e o passeio sairia por R$ 95,00 por pessoa se eu não posso ir mesmo.

Eu nem tenho medo do jacaré mas mesmo assim não me deixaram brincar de rafting

Eu nem tenho medo do jacaré mas mesmo assim não me deixaram brincar de rafting

Se eu já estava enfezada (não, não era cocô na fralda, era brabeza mesmo) fiquei ainda mais quando ele falou do arvorismo de Pais e Filhos. Imagine eu e meu pai caminhando em cima das árvores juntinhos. Iria ser demais se não fosse só para crianças com mais de 3 anos. Mandei um SMS que não precisa digitar pro meu pai perguntando: Já sei tudo que eu não posso fazer. Quero saber do que eu posso brincar, afinal viemos aqui para isso, não? Sentindo minha impaciência meu pai pediu sugestões para crianças de um só carnaval. Escolhemos logo a primeira opção, afinal esta conversa estava mais comprida que cabelo de Rapunzel. Iríamos para Areia que Canta e nem demos ouvido para as histórias do bóia cross que é descer o rio numa bexiga gigante em forma de pneu de caminhão, ou para o passeio de quadriciclo já que eu tenho o meu lá casa ou para o tal do rapel pois tinha certeza que não me deixariam brincar mesmo. Eu nem gosto de lembrar desta conversa que já fico jururu, mas como uma família legal decidimos deixar as dicas para quem tem filhos maiores e que já podem aproveitar todas estas aventuras.

Mesmo andando há um eternidade (3 meses) não pude me divertir com meu pai aqui

Mesmo andando há um eternidade (3 meses) não pude me divertir com meu pai aqui

Chega de falar e vamos a vida real das aventuras. Meu dia que não tinha começado bem, logo melhorou ao chegarmos a Areia que Canta. O concerto só começaria às 11 horas e tínhamos meia hora para explorar o local. O aperitivo de aventuras do dia anterior tinha me deixado com mais fome de adrenalina e meu banquete se apresentou na forma de tirolesa. Não era o vôo do Tarzan a 120 metros de altura, mas eu e minha mãe radicalizamos mesmo que há poucos metros do chão. Quem sabe posso até entrar para o Guinness Book como a pessoa mais jovem a praticar este esporte. Como 30 minutos podem fazer a diferença em seu dia. De alma lavada e astral mais alto que salto de modelo partimos para a cantoria.

 

São 5 minutos de carro até um estacionamento e mais uma caminhada de uns dez minutos até a arena do show. Eu como sempre na cadeira da rainha. Confesso que estava na expectativa de ouvir Galinha Pintadinha. Aquela assim ó: “Có có có có có. A galinha pintadinha e o galo carijó, a galinha usa saia e o galo paletó…” Meu pai achava que ira rolar um rock de velho do tipo Beatles ou Deep Purple, mas quem se deu bem mesmo foi minha mãe que gosta de samba. A areia só sabia tocar cuíca. A arena do show é muito bem cuidada, a água limpinha e transparente, ninguém pode pisar na estrela do espetáculo, por isso todos devem vestir um paletó de gala sem mangas que deixa todo mundo gordo, igual aquele de Aruba (lembram), só que este é verde. Apesar de todos estas frescuras a areia deixou a fama subir a cabeça e é bem estrelinha. Soltou até uns puns na gente como vocês podem ver na foto que meu pai tirou. E também não gostei do ar condicionado que estava muito forte e deixou a água a 17 graus. Meu pai me ensinou que nosso corpo fica a 36 graus (passou disso é febre e dodói) por isso sentia tanto frio. Mesmo assim adorei.

 

Areia soltando pum na gente

Areia soltando pum na gente

Mesmo com muitos puns a água é bem limpinha

Mesmo com muitos puns a água é bem limpinha

Quando achei que tinha acabado, começou tudo de novo. Mais caminhada pro meu pai e pra minha mãe, eu seguia na cadeira da rainha. Demorou tanto, que quando chegamos ao rio de guaraná eu nem quis beber um pouquinho fui direto dormir enquanto meu pai se melava todo nas cachoeiras de refrigerante. Minha mãe disse que dormi 40 minutos, mas parece que não foram nem 5 e já tive que acordar e voltar para cadeira, acabou o passeio.

Enquanto eu tirava uma soneca meu pai se melava todo no rio de guaraná

Enquanto eu tirava uma soneca meu pai se melava todo no rio de guaraná

Neste dia ainda passamos na cidade para almoçar bem tardão. Lá mais aventura, agora de bicicross. A bicicleta era emprestada claro, ou vocês acham que eu ia comprar uma bike rosa de rodas roxas? Bicicleta de princesa e eu sou MOCHILEIRAAAAAAAAAAAAAAAA.

Rosa e roxo não são para mim

Rosa e roxo não são para mim

Também percebi que até Brotas entrou na era digital. Os velhinhos já não jogam mais dominó na praça, agora eles não saem do Facebook.

Velhinhos trocaram o dominó pelo Facebook

Velhinhos trocaram o dominó pelo Facebook

Depois deste dia mais do que agitado, com apenas 40 minutos de sono eu já estava mais que cansada, mas não dava descanso aos meus pais. Foi ai que ele me propôs um acordo: eu descansaria por meia hora na beira da piscina com ele e depois a gente poderia nadar juntos mais um pouco. E foi isso que fizemos para finalizar mais este dia de aventuras.

Tal pai, tal filha

Tal pai, tal filha

Veja Também:

Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 1

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Acabou

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Parte II

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Parte I


Responses

  1. Amazing!!!!!!
    Bjos a todos e parabéns again!!!! 😉

  2. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  3. Oi, Amélie, sua LINDA!

    Demorei pra ler essa parte da aventura, mas agora eu consegui! =) Acho que conheço essa tal “girafinha que tem pendurada na parede do seu quarto” ahahahahah poxa, ela não colaborou dessa vez pra mostrar que vc pode fazer os passeios bacanas que a mamãe e o papai fizeram em Brotas, mas ó, em breve, a girafinha vai ser parceira e quando você menos esperar ela mostrará que você já pode se aventurar como o Tarzan, descer o Rio Jacaré, fazer rapel e tantas outras coisas! =) Por enquanto, vai treinando com o patinho na banheira, imaginando a vitamina de banana no liquidificador e mandando todas as perguntas possíveis pro papai via SMS!❤

    Mas a "titia" aqui já está muito orgulhosa, pois você já enfrentou uma mini tirolesa! Ah, eu adorei a cidade de Brotas e tb gostei muito da Areia que Canta. E diga ao papai e à mamãe que estou realmente AMANDO as suas fotos!

    Beijinho e até sábado!

    Vanessa

    • Tia Aguilera

      é só por isso que eu quero crescer, para fazer estes passeios radicais, porque ser criança é muito melhor que virar adulto.

      Tô treinando na banheira pro rafting. Porque um dia ainda volto lá para encarar a tiroleza de gente grande.

      bjs e até daqui a pouco da sua mordível Amélie

  4. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  5. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  6. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  7. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  8. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  9. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]

  10. […] Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2 […]


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: