Publicado por: Quatro Cantos do Mundo | 21/02/2016

Viajar com filhos é … – Parte II

Tem dezenas de hábitos que só quem viaja com filhos conhece bem de perto. Por isso mesmo um só post não basta para descrever de forma engraçada todos eles. Este é o segundo post da série Viajar com filhos é…

Pais e mães reconheçam suas próprias famílias nestas situações, algumas um tanto inusitadas. Aqueles que ainda não tem ou nunca terão filhos vejam o quanto pode ser diferente e divertido viajar com crianças, porque Viajar com filhos é:

Viajar com filhos é...

Viajar com filhos é…

1) Lotar a bagagem de comida

Ainda me lembro de quantas vezes pulamos as refeições durante nossa viagem de Volta ao Mundo. Almoçar e jantar no mesmo dia era um luxo. Afinal onde comer quando se perde o dia cruzando as estradas esburacadas do Uzbequistão? Ou chacoalhando e comendo poeira em Moçambique. Mas com crianças é diferente. Como diria o filósofo moçambicano: “Onde há fome, não há amizade”. E o pior que pode ocorrer é perder a amizade de seu filho durante a viagem. Por isso mesmo levamos uma infinidade de snacks, frutas, sucos e até feijão de caixinha para nossas viagens. Sem falar nas papinhas.

Lanchinho para uma tarde

Lanchinho para uma tarde

2) Encontrar hotel com cozinha

No primeiro post da série mencionamos o desafio de encontrar um quarto de hotel para uma família plus size como a nossa (três filhos). Mais desafiador ainda é encontrar o tal quarto que ainda tenha uma cozinha. É mais fácil superar o triatlo do Ironman do que encontrar esta hospedagem. Tarefa para Hércules. E tudo isso para satisfazer o desejo das crianças de comer aquela comidinha caseira. Este item se torna ainda mais essencial se estivermos por terras de culinárias exóticas onde pimenta e condimentos estranhos ao paladar infantil se fazem presentes.

Nosso sonho de consumo

Nosso sonho de consumo

3) Não precisar de despertador

É claro que o comportamento dos filhos é reflexo dos hábitos dos pais e acredito que estamos no caminho certo na criação deles, pois todos eles, sem exceção, acordam cedo como eu e a Fabi. Na verdade, já superaram os pais. Madrugam seja sábado, domingo ou férias. Está aí um item que não precisamos levar na bagagem: despertador.

Este item não entra em nossa bagagem

Este item não entra em nossa bagagem

4) Ficar na piscina mesmo tendo uma praia estonteante a disposição

Nossa última viagem foi escolhida a dedo. Com a Fabi grávida de muitas semanas, elegemos São Miguel dos Milagres. A praia não tem ondas e a água é quente, parece até aquecida, mas invariavelmente o lugar mais frequentado pela família era a piscina da pousada. Até arrastávamos as crianças para praia. Eles caminhavam, se banhavam e sorrateiramente se encaminhavam para a piscina. Não tem jeito, criança gosta mesmo é de piscina.

A praia é paradisíaca mas a maior parte do tempo é mesmo na piscina

A praia é paradisíaca mas a maior parte do tempo é mesmo na piscina

5) Comer sushi onde quer que esteja

Esta é uma característica típica de nossa família. A primogênita é aficionada por comida japonesa e onde quer que estejamos temos que visitar um restaurante especialista nas iguarias do sol nascente. Na Austrália foi fácil, pois estávamos bem pertinho do Japão. Nas grandes cidades a comida japonesa também não é raridade. Mas e para encontrar um sushi man no interior de Alagoas? Para sorte dela e para tranquilidade da família havia lá sim um montinho de arroz envolvido com uma alga preta com um peixe laranja metido no meio.

Aonde quer que vamos temos que encontrá-los

Aonde quer que vamos temos que encontrá-los

6) Ter uma bagagem de mão que mais parece um container

Com três filhos tudo acaba sendo superlativo e a bagagem de mão mais parece uma mala de mudança para o Polo Norte. Alguns dos itens que podem ser encontrados nesta sacola que mais parece uma mala de cigano: fraldas de tamanhos diferentes, pomada para assadura, lenço umedecido, uma muda de roupa para cada filho e são três, snacks, sucos, ursinhos de pelúcia, cherinhos (aquele pano que eles dormem agarrados), tablet, certidões de nascimento ou passaportes e ainda acho que esqueci de alguma coisa.

Cabe tudo mas quase não passa nas medidas máximas

Cabe tudo mas quase não passa nas medidas máximas

7) Almoçar no horário do almoço

Se seu dia começa às seis da manhã, obviamente que ao meio dia todos já estão como uma fome de leão. Esqueça aqueles almoços as duas ou três da tarde. Isso não te pertence mais, pois um adulto pode suportar a fome por um longo tempo, nunca uma criança.

É dai para mais cedo

É dai para mais cedo

8) Parar para dormir depois do almoço

Até os quatro anos toda criança precisa de uma soneca durante o dia. Assim é sagrado em nossas viagens: depois do almoço é hora de uma pausa para descanso. Até a mãe entrou na onda e também tira um cochilo. Pode ser num motorhome, na areia da praia, numa sombra a beira do rio ou no quarto do hotel, todo mundo faz sua pausa. Algo como a siesta na Espanha, mais sagrado impossível.

Onde quer que estejamos esta hora é sagrada

Onde quer que estejamos esta hora é sagrada

9) Chamar o nome de todos os filhos até acertar

Eu sempre ria do meu avô que nervoso ao chamar a atenção dos netos falava o nome de todos até que acertava somente na última tentativa. Eu ainda sou bem mais novo que ele e já cometo o mesmo erro. Em viagens, ao sair da rotina você também sai do modo automático do dia a dia e acaba errando o nome dos filhos, ainda mais com três.

Nem isso resolveria meu problema

Nem isso resolveria meu problema

10) Ter tímpanos de aço

Sair da rotina nos faz ficar com as emoções mais afloradas. Os momentos de alegria são mais intensos e obviamente os de tristeza também. E claro que as crianças acabam chorando mais em viagem principalmente depois de um dia cansativo onde por exemplo a soneca depois do almoço não foi respeitada ou quando pulamos uma refeição. Portanto em um dia ou outro de sua viagem prepare-se para ter tímpanos de aço com a choradeira inevitável. Reflita sobre o que irritou seus filhos e não repita o erro.

Uma hora ou outra isso vai acontecer com você

Uma hora ou outra isso vai acontecer com você

Veja Também:

Viajar com filhos é … – Parte I

Histórias da Amélie

Ensaio: Como viajar com crianças

Como carregar seu filho em uma viagem?

Tudo que vi, vivi e experimentei de novo na Austrália by Amélie

Brasília a cidade do faz de conta – Fábula 1

Brasília a cidade do faz de conta – Fábula 2

A Disneylândia é no quintal da minha casa – São Paulo

Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 1

Natal Radical – Guia do Aventureiro Mirim em Brotas – Página 2

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Parte I

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Parte II

O melhor presente do meu primeiro aniversário – Aruba – Acabou


Responses

  1. Muito legal o seu blog. Me interesso bastante por viagens. Parabéns!
    Segue de volta? http://www.thetravelingclub.com


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: