Publicado por: Quatro Cantos do Mundo | 06/03/2016

Ilhas Maurício, o paraíso não é para milionários – Parte II

Este post é a continuação da série Ilhas Maurício, o paraíso não é para milionários. Recomendamos ler o primeiro post da série (Ilhas Maurício, o paraíso não é para milionários – Parte I) antes deste.

A partir do último passeio de barco mencionado no post anterior você pode alugar um carro e curtir as estradas ao lado das montanhas e canaviais indo para outros pontos da ilha. Fui para Tamarin, para um dos passeios que mais tinha expectativa, e que foi o que mais me decepcionou, que foi o nado com golfinhos.

Por do sol inesquecível

Por do sol inesquecível

Ele é anunciado como “uma experiência única e inesquecível, nadar com os golfinhos em total liberdade”. Na verdade, são uns 10 barcos cheios de turistas, que ficam correndo atrás dos pobres golfinhos estressados. Quando eles emergem mais adiante, as lanchas correm atrás deles. Não me pareceu que há qualquer interação, os golfinhos me pareciam estressados com a invasão de sua morada, e nem um pouco interessados nas criaturas que saiam dos barcos, e rapidamente queriam sair de perto, sendo nítido que se sentiam muito incomodados. Depois fomos para uma ilha que não era tão bonita assim. Ao contrário dos dois outros passeios onde o almoço era no barco, neste foi na ilha, num sol de lascar, e num banquinho desconfortável, e a praia da ilha não era muito boa para nadar, e mesmo na parada de snorkel os peixes eram menos variados e água estava menos transparente… Enfim, se esta foi a pior furada de 30 dias viagem, paciência, pelo menos não foi caro, negociei um desconto e ficou por 30 euros. Mas, é o tipo de turismo predatório que eu não gosto. A própria praia de Tamarin é uma das menos agradáveis da ilha, lembrando algo como o Centro de Ubatuba, e não merece a visita.

Tamarin parece mesmo Ubatuba (foto do site: beachmap-mauritius.com)

Tamarin parece mesmo Ubatuba (foto do site: beachmap-mauritius.com)

Em compensação reservei uma ótima pousada pelo hotwire por 50 dólares, tinha até uma hidromassagem e raridade na Ilha, um bom café da manhã. Fica um pouco distante da praia, mas o dono tem um chofer simpático que leva você de graça para a praia, ou para os passeios. Era marcada como o Hotel 3 estrelas no Hotwire, com 100% de aprovação, e tem o simpático nome de L’Oiseau de L’Ocean, o pássaro do oceano.

Piscina da L'Oiseau de L'Ocean

Piscina da L’Oiseau de L’Ocean

Na volta, você pode seguir pelo litoral pelos belos caminhos que levam a praia de La Morne, também patrimônio da Humanidade, para novamente terminar em Mahbourg e terminar sua viagem, com tristeza e saudades.

A encantadora La Morne (foto do site youtube.com)

A encantadora La Morne (foto do site youtube.com)

Vale a pena também conhecer o lago sagrado de Grand Bassin, que é formado sobre a cratera de um extinto vulcão. O local é considerado sagrado pelos hindus, que acreditam que suas águas estão interligadas com as do rio Ganges, na Índia, e você pode assistir as cerimônias jainistas e receber uma benção no templo, e assistir seus rituais do jainismo, além de apreciar as várias estátuas de Shiva, sendo que a maior tem 33 metros de altura.

Lago Grand Bassin

Lago Grand Bassin

Passeios que eu não fiz, mas que devem ser interessantes:

La Vanille: reserve http://www.lavanille-reserve.com/index.php/en/ – é um misto de zoológico, aquário borboletário e parque natural, sendo o destaque as grandes tartarugas soltas.

Tartarugas gigantes soltas ao seu redor (foto do site www.mauritius-tourist-guide.mu)

Tartarugas gigantes soltas ao seu redor (foto do site http://www.mauritius-tourist-guide.mu)

Island wing: www.islandwingsmauritius.com/seaplane-tours – voos em ultraleve pelas ilhas, para quem curte panorâmicos em aviões pequenos. De 120 a 240 euros.

Trou aux Cerfs: Localizado no alto do distrito de Curepipe, esse vulcão adormecido possui um diâmetro de 350 metros e uma cratera com 80 metros de profundidade, onde há belas vista panorâmicas.

A boca do vulcão (foto do site youtube.com)

A boca do vulcão (foto do site youtube.com)

Queda-d’água Chamarel: a queda-d’água de 100 metros de altura alimentada pelo rio Saint Denis que apresenta maior fluxo entre dezembro e abril, devido ao maior número de chuvas.

Chamarel Falls, mais de 100 metros de queda

Chamarel Falls, mais de 100 metros de queda

Chamarel – Seven Coloured Earth – uma das maiores atrações turística das Ilhas Maurício. Estas curiosas formações geológicas chamam a atenção pelas de sete diferentes cores. Imperdível.

Interessantíssimo

Interessantíssimo

Rodrigues: é uma ilha menos turística distante 650 quilômetros de distância de Maurício, e dizem que ainda possui um ar de destino selvagem. Há vários voos diários, e um pacote com hospedagem de 3 dias custa cerca de 400 euros.

Rodrigues island, será que não vale a viagem?

Rodrigues island, será que não vale a viagem?

Circulando pela ilha: O transporte é um ponto a ser melhorado. Sugiro deixar uma mala grande no hotel e fazer algumas viagens com uma pequena mochila e uma sacola de praia, especialmente se vocês forem andar de ônibus. Para Mahrbourg, os jardins e Grand Bay é tranquilo ir de ônibus. É tranquilo e barratíssimo andar de ônibus, embora eles sejam velhos barulhentos, e cheios de paradas, e seus motoristas por vezes correm como se fossem um Ayrton Senna encarnado por alguma injustiça divina num país exótico. Mesmo assim, com as paradas e trocas de ônibus, uma pequena viagem de 40 quilômetros pode envolver 3 conexões e levar 4 horas. Nas demais partes da ilha considere a possiblidade de usar táxi, por algo como 15 e 40 euros por viagem, sempre negociando os valores com os motoristas, sendo uma boa alternativa alugar um carro, se você não se incomodar com a mão inglesa. Assim, eu sugiro começar em Mahbourg, e ir de ônibus até Port Louis, e de lá para Gand Bay. Em Grand Bay, você já vai estar mais acostumado, e é a ocasião par alugar um carro, combinando que ele seja devolvido no aeroporto.

Velhos e barulhentos mas baratos

Velhos e barulhentos mas baratos

Comida: A ilha foi inglesa até 1968. Certamente você já foi num restaurante italiano, francês, japonês, ou árabe. Mas me diga, você conhece algum restaurante de comida típica inglesa? Assim, a comida é ok, mas eu não tive nenhum prazer gastronômico na minha língua que mereça sua leitura, salvo o carpacio de Marlin. Há bons peixes frescos, como em toda praia, mas sem nada de especial do tempero local que se resume ao curry. Em geral as comidas são mais baratas nos truck foods de praia. As comidas típicas da ilha incluem o minie frit, que é o nosso yakissoba e o riz frit, um arroz temperado com galinha.

A experiência dos food trucks

A experiência dos food trucks

Quando ir: Por uma questão de trabalho, fui no final do ano, sendo que o mês de janeiro, teoricamente é sujeito a ciclones e chuvas, mas quase todos os dias foram de tempo bom. Evite o ano novo chinês, entre o final de janeiro e começo de fevereiro, que significa um pico de preços. No final de fevereiro, há uma grande festa de peregrinação hindu, que enche a ilha. abril a junho, e Setembro a Novembro são bons meses, mas deve se lembrar das férias europeias, de agosto até o começo de setembro. O clima é mais quente e úmido no verão (dezembro a março) e mais fresco e seco no inverno (julho a setembro), mas não chega um frio que atrapalhe a praia, sendo que a temperatura mínima é de 17º C a noite. Para combinar com uma viagem a África, o ideal é entre maio e setembro, quando diminuem os mosquitos e a possibilidade de pegar malária nas regiões de safari.

Quadro de temperaturas e chuvas durante o ano

Quadro de temperaturas e chuvas durante o ano

Como chegar: A melhor maneira é pela SAA, via África do Sul. É o voo mais curto. Nem sempre há passagens em promoção, ou o preço do voo completo é muito caro, chegando a 3000 dólares na classe econômica. Se isto ocorrer faça a pesquisa em dois trechos separados, ou seja São Paulo, Capetown (ou Johanesburgo), e depois da África do Sul até as Ilhas Maurício, cotando por sites como o Kayak, deixando o cuidado de, que se as empresas forem diferentes, reservar pelo menos 12 horas entre uma conexão e outra, ou se possível, aproveite para conhecer a África.

A Emirates também faz a rota, assim como a Turkish. Air France e British também tem voos com uma única conexão.

Outra opção, se houver tarifas baratas do Brasil, é verificar se vale a pena dividir a passagem em duas, comprando uma até Madrid, Barcelona, Paris, ou Londres, de onde há frequentes voos para as Ilhas Maurício, e comprar a volta em separado, numa das promoções da Emirates, ou da Air Mauritius.

De maneira geral, espere pagar desde São Paulo, entre 1500/1800 dólares na alta temporada, e 1100/1400 na baixa, com taxas.

Visto: Brasileiros não precisam de visto, que é dado na hora no aeroporto, e sem custos, mas é conveniente ter uma reserva de Hotel, caso solicitado. Não esqueça da vacina contra febre amarela que é obrigatória e é conferida na imigração.

Se estiver com suspeita de dengue, ou zika não viaje, há um questionário de saúde, a ilha fez um belo trabalho e conseguiu eliminar esta praga. Não contribua para a sua reintrodução.

Que roupas levar? Roupas de praia, inclusive saídas de banho, pois é considerado falta de educação circular fora da praia com roupas de banho. Se for no inverno, um abrigo leve para a noites. Se for num resort não esqueça de roupas mais elegantes para o jantar.

Quantos dias devo ficar? Fiquei 7 dias e achei pouco. Como se trata de um país distante, recomendo pelo menos 10 dias apenas em Maurício, 7 dias num safari e 3 em Capetown, mais os 2 dias de cada perna de deslocamento.

Pacote, ou por conta? Sem dúvida nenhuma por conta e com liberdade para mudar de hotel e ver várias partes da ilha no seu ritmo, e aproveitar os descontos dos sites de reserva. Se você não tiver pressa, poderá fazer uma viagem econômica em hotéis baratos e usando ônibus e comendo nos truck foods.

Food trucks, economia garantida

Food trucks, economia garantida

Quanto vou gastar? Se você ficar num hotel simples, e comer em truck foods ou supermercados, e se deslocar de ônibus, 50 euros por dia por pessoa são suficientes, incluindo os passeios. Se preferir uma pousada mais charmosa, comer em restaurante, e andar de táxi, calcule algo entre 100 e 150 euros. Caso opte por um resort luxuoso pense em 250 euros por dia, aproveitando as ofertas dos sites de reserva como o Hotwire.com, e o vacationstogo.com. Se não gostar de mudar de hotel, e preferir ficar dentro do resort, considere o Riu com All included a partir de 240 dólares por casal no site do Hotwire.

Dicas:

1- Case a sua visita a Maurício com alguns dias em Capetown, uma semana na Namíbia, ou na África do Sul. É um complemento perfeito. Outra possiblidade, é verificar se há uma tarifa promocional em sites como o vacationstogo.com dos cruzeiros que a Costa Cruseis faz de dezembro a fevereiro, numa viagem de 14 dias, que inclue Madagascar, Seychelles e Ilhas Reunião. Eu fui e aprovo.

2- Leve euro, que é a moeda padrão para hotéis e passeios, evitando o dólar.

3- Algumas praias tem pedras e ouriços. Não deixe de comprar um sapato de neoprene para proteger seus pés. São bem melhores do que chinelos, e vendidos em lojas como a Decathlon.

4- Se você usa óculos, leve um antigo para não se preocupar em estragar o seu com o sal na praia, e nos passeios de barco. Neste caso, eu também recomendo fortemente que você faça uma máscara de mergulho com grau. Qualquer escola de mergulho pode lhe dizer onde fazer isto.

5- Ao chegar, procure deixar o transporte do aeroporto já agendado com sua pousada/hotel. Os táxis não têm taxímetro, e há um monopólio para explorar o turista, fazendo com que uma corrida de 8 quilômetros até Grand Bay que custa 20 euros, sair por até 80 euros. Por incrível que pareça, é praticamente impossível sair do aeroporto de ônibus para as Cidades ou hotéis, pois os horários são muito limitados.

6- Se o seu hotel tiver cozinha, considere a possibilidade de comprar comida no supermercado, ou fazer um lanche.  Há ótima variedades de produtos vindos da França que permitem fazer uma ótima refeição por bem menos do que se paga num restaurante.

7- A pechincha é bem válida para artesanatos e táxis. 10 a 20% para os artesãos, e pelo menos 20 % para os táxis que não tem taxímetro, nem tabela e sempre cobram mais caro para estrangeiros. Eventualmente pacotes turísticos podem ter um pequeno desconto, mas não é a regra.

8- Não é necessária carteira internacional para dirigir, mas não beba e dirija, as patrulhas nas estradas são frequentes. A maioria das estradas é asfaltada, e bem conservada, embora com muitas curvas, assim um carro popular serve bem como meio de transporte. A mão de direção é inglesa, então recomendo um seguro total, sempre olhar dos dois lados, e muito cuidado ao entrar numa rotatória, ou fazer uma conversão, que são os pontos mais críticos ao dirigir na mão inglesa. Sugiro alugar um carro quando você estiver mais familiarizado e não ao chegar do aeroporto. Uma noite na pelourinho class seguida de um carro com mão inglesa, num lugar desconhecido são uma receita certa para possíveis acidentes.

9- Não existe violência, mas não marque bobeira na capital com as mãos leves, cuide de sua carteira, especialmente nos mercados, e não deixe objetos de valor no carro, nem os abandone na praia.

10- Hotéis e resorts podem ser reservados com um bom desconto pelo site hotwire.com. Este é um site que tem uma opção que dá apenas a localização do Hotel, mas não seu nome, porém os descontos são de até 70% em relação ao preço original. Como a reserva não é reembolsável, estude com atenção a localização do Hotel, pois a ilha é maior do que parece, e veja a porcentagem de recomendação dos hóspedes do próprio hotewire, e no tripadvisor, que são mostrados no site, antes de fazer a compra. Pegue um Hotel com 80% ou mais de aprovação e fará um ótimo negócio. Eu já usei pelo menos 50 vezes o site, e nunca me arrependi, os preços são pelo menos 30% mais baixos do que em outros sites.

E você, já esteve nas Ilhas Maurício? Gostou? Pretende ir e gostaria de saber algo mais? Pergunte para gente.

Veja Também:

Ilhas Maurício, o paraíso não é para milionários – Parte I

Seychelles de A a Z

Lugares Únicos no Mundo – Arquipélago de Bazaruto – Moçambique

Zanzibar paraíso na Terra

Lugares Únicos no Mundo – Serengeti – Tanzânia

Lugares Únicos no Mundo – Navagio Beach – Zakynthos – Grécia

Lugares Únicos no Mundo – Milos – Grécia

A Fotogênica Santorini


Responses

  1. Achei otimas as dicas.
    Quero muito poder conhecer esse paraiso.
    Obrigada a voces!

  2. espetacular
    excelente dicas
    ajudaram imenso para a viajem que farei agora em outubro
    que continuem a viajar!!!

  3. Olá!! Os preços são esses mesmo? Por volta de 50 euros por dia com acomodação + transporte + alimentação nas Ilhas Maurício? Pois estou vendo passagens saíndo do Brasil para África do Sul e depois para as Ilhas Maurício por R$ 3.100 total ida e volta. Ou seja, uma viagem de 10 dias sairia por R$ 1.800, é isso mesmo?


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: